Corset Piercing – O passado embutido na pele

“Espartilho ou Corset é uma peça do vestuário feminino que dispõe de barbatanas metálicas e amarração nas costas. Essa peça tem como objetivo reduzir a cintura e manter o tronco ereto, controlando as formas naturais do corpo e conferindo a ele mais elegância. O Corselete é um tipo de espartilho que é usado por fora. A peça caiu em desuso no início do século XX quando foi inventado o sutiã.” (Wikipédia)

Apesar da breve aula de história do espartilho, não é este o assunto do post de hoje onde falaremos sobre o Corset Piercing.

Corset Piercing é o nome dado a todas as perfurações de superfície (Surface Piercings) dispostas em duas colunas verticais de captives circulares (Argolas) como em um espartilho. Para dar i toque final ao corset, uma fita ou corda é passada entre os captives e um laço é feito.

Apesar de um corset de verdade ter o laço nas costas, o Corset Piercing pode ser feito em diversas partes do corpo como pescoço, barriga, braços e pernas, sendo basicamente possível aplicar um corset piercing em qualquer parte do corpo em que a pele seja mais fácil de perfurar superficialmente.

Devido a forte referência ao passado e a beleza estética do Corset Piercing, este passou a ser fortemente adotado em shows fetichistas. O Corset Piercing é normalmente feito apenas para fotografias e aprensentações por se tratar de uma grande quantidade de perfurações superficiais e feitas ao mesmo tempo. O risco de infecções se torna alto assim como a pele poder rejeitar os piercings.

A pressão exercida pela fita só colabora para que o corset tenha mais riscos de ser expelido pelo corpo, causando cicatrizes e queloides nos locais das perfurações.

Algumas vezes o Corset tem uma boa cicatrização se for feito com barras de superfície completadas com ‘slave rings’ para um melhor efeito, o que não reduz os riscos de rejeição.

Em algumas apresentações são utilizados cateteres cirúrgicos no corset por oferecerem menos pressão à pele e terem uma remoção mais simples e menos agressiva.

Microdermais com anéis em suas cabeças podem ser usados no corset piercing mas o uso prolongado do laço pode causar rejeição das peças.

Os cuidados de um Corset Piercing (Mantendo-o ou removendo) são os mesmos de qualquer modificação corporal: limpeza ao menos 3x por dia com soro fisiológico e spray antisséptico, manter uma dieta livre de gordura e manter uma boa higiene pessoal durante 25 dias.

No vídeo abaixo vemos como é feito um corset piercing e ainda tem uma linda galeria de imagens para inspiração:

Vejam a continuação aqui.

@OInternetico

O Criador do Tinta Na Pele: apaixonado por modificação corporal, música pesada e boa comida. Criei este espaço para compartilhar informações sobre Body Modification e algumas gatas tatuadas também.

8 comentários em “Corset Piercing – O passado embutido na pele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *