Thomas Edison e a primeira máquina de tatuagem

Como contei na primeira parte do guia completo da tatuagem o hábito de marcar a pele com desenhos é muito mais antigo do que parece e até mesmo alguns dos fósseis humanos mais antigos possuíam marcas na pele com significados e propósitos diversos. O que não me aprofundei na segunda parte do guia da tatuagem foi que um dos primeiros conceitos de máquinas elétricas de tatuagem foram na verdade feitos pelo inventor americano Thomas Edison (1847 – 1931) que entre outras grandes invenções criou a Lâmpada.

American Eletric Pen foi a solução do jovem inventor de 28 anos, para copiar documentos. O ano era 1875 e ainda não existia nenhum gadget (além dos dedos) para realizar tal tarefa. A caneta elétrica perfurava o documento que se desejava copiar, fazendo o contorno das letras, ao mesmo tempo que a sua carga de tinta era transferida para a folha de baixo como mostra o exemplo abaixo.

16 anos depois, através das mãos de Samuel O’Reilly, a maquininha foi aperfeiçoada, adicionando-se a ela uma agulha especial. O que acelerou o processo de feitura das tattoos, que antes eram realizadas de forma muito parecida com a dos índios.

Charles Wagner, aprendiz de O’Reilly, seguiu os passos do mestre após a sua morte. Esse era o cartão usado por ele na época, e uma foto em que usa a caneta.

Muita coisa mudou desde aqueles tempos e hoje em dia as máquinas de tatuagem, além de mais potência e precisão ainda são mais leves e com chassis personalizados, chegando a serem verdadeiras peças de colecionador.

Deixe uma resposta